terça-feira, 27 de novembro de 2012

O Encanto da Despida



Despe-te para mim… Lentamente. Deixa ficar apenas a Luxúria e o Desejo. Desenvencilha-te das inibições e arremessa -as para o chão. Fica onde estás. Deixa-me contemplar-Te. Mostra-me onde devo deixar as minhas impressões digitais. Traça-me um mapa para a tua ignição. Quero deambular por Ti, regar-Te com um líquido inflamável e deflagrar-Te em chamas místicas, que Te deslindam e fazem renascer só para mim… novamente. Provar-Te-ei… banhar-Te-ei! O orvalho da nossa paixão irá brilhar na Tua pele… será denunciado pelos raios do luar… gota a gota… gotas que convergem umas nas outras e assinalam o trilho que irei percorrer no teu corpo pela noite fora… até despertares, despida, nos meus braços.

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Avidez



Eu não preciso que me recites Poesia… os Teus Gemidos são os meus versos predilectos. Eu não preciso que me prepares uma Refeição… a Tua Carne sacia a minha Fome. O que eu preciso de Ti é… desses dedos puxando o meu cabelo… desses lábios devorando a minha boca… dessas mãos cravadas no meu rabo… dessas unhas desenhando coriscos de paixão nas minhas costas… desse corpo derretido no meu… desse mel reluzindo entre cada uma das minhas estocadas… dessa voz orgástica a reivindicar bem alto: ÉS MEU!

sábado, 24 de novembro de 2012

Sexo de Perdição



O teu sabor alastra pela minha boca e entranha-se em mim… para logo desejar voltar a Ti… verter profusamente em Ti… num Ciclo Infinito.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Amo-Te M... uito!



Algures entre o crepúsculo e o amanhecer revisitei o meu Templo Sensual. Para quem o meu coração dedica cada um dos seus batimentos. Silenciosamente escutei o seu silêncio, partilhei cada sussurro, sorri a cada suspiro, deambulei pelos seus pensamentos. Ela vai usurpar os meus sonhos, enlaçar a minha Alma e eu irei embrulhá-la, como se Ela se tratasse de um presente antecipado de Natal. Irei ver a magia dos seus Olhos Verdes a cederem à languidez, assistirei ao ténue sorriso encoberto pelo Fogo do seu cabelo… Contente… Serena… Plena… Liberta… apesar dos grilhões da minha Alma... da Nossa Alma.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Quente e Frio



Pele molhada, nua
Subrepticiamente exposta
Língua que actua
Empinando-te como resposta
Uivo para a Lua
Sussurras uma proposta:
Toma-me tua!

Mas acordo só… o coração acelerado depressa baqueia num nó… mas sinto-Te no meu sabor… cheiro resquícios do teu olor… sinto-me cativo em Ti… liberto uma lágrima com um sorriso… prevaleces nos lençóis da minha Alma… mordo o lábio de sobreaviso… pois desejava retalhar toda esta calma…

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

A Luz que me Seduz



Se me faltar a Luz do Sol
Continuarei a escrever-Te
À Luz das Velas
Sob o Luar
Ou envolto no Breu da Escuridão.
Se me faltar Papel e Tinta
Irei utilizar o meu Sangue
Para te grafar em Paredes Esquecidas.
Irei escrever-Te pelas Constelações da Eternidade.
Irei roubar a centelha de Esperança
Dos recantos sombrios de cada Cidade
Para te alumiar na fogueira da minha Aliança.

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Fragmentação de uma Súplica



És a Voz que escuto… existindo na minha existência… insistindo na minha insistência. És o Toque que deliciosamente me tortura… que captura a minha inocência. És o Calor… a fervência que dissolve o gelo da amargura. És a Confiança que me afiança segurança… uma tapeçaria de esperança urdida em intimidade e admiração. És a minha Estrela Polar… emergindo sem distância numa espiral que me arranca do abismo… que me aponta na tua direcção. És os Olhos para os quais acordo… em memória de uma história… que usurpa o meu fôlego sem desacordo. És os Dedos que atam este laço de liberdade... crava as tuas unhas na minha Alma e reclama a Tua propriedade... enlaça a minha mão inteira e leva-me para a tua beira.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Sal(i)vaste-me



Com uma boca carente
Provido de uma língua fervente
Degusto o teu fruto redentor
Que me devolveu o vigor.

Sedutoramente acerejada
Prontamente desabrochada
Transbordas louca pelo meu queixo
Numa enxurrada
Frutada
Melada
Que alvoroça o meu eixo.

O teu lúbrico brilho
Envia-me ondas de choque
Escorrido pelo trilho
No qual polvilho o meu toque.
E aí me detenho
Nesses traços de Afrodite
Que em meus sonhos retenho
Para mitigar o apetite
Das noites em que apenas te desenho
Num mundo que nos delimite.

Subjugado pela fragrância do teu gemido
Trespasso esfomeado o teu limite
E sorvo o néctar do teu fruto proibido.

sábado, 17 de novembro de 2012

Sexo de Perdição


Afunda-me... Naufraga-me em Ti... Mata-me deste Mundo e Ressuscita-me para uma Outra Vida...

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Tudo! Toda!



Eu quero Tudo!... A Ternura de um Amor. A Paixão de uma Foda. O Embalo de uma Amante. O Estalo de uma Endiabrada. A Exclusividade das Tuas Fantasias. A Fidelidade do Teu Pensamento. Olhos que realmente me Descortinam. Mãos que me Encaixam por Instinto. O Toque pelo qual Suplicaria. O Desejo pelo qual me Ajoelharia. O Beijo que me Liquefaz. O Sorriso que me infunde Paz. A Beleza arrebatadora das pequenas (grandes) Coisas. A Perpetuidade de um «Para Sempre!». Partilhar, Compreender, Aceitar. Encorajar, Permitir, Desabrochar. Fusão Total… de Mentes Esvoaçantes, de Corações Prometidos, de Almas Entretecidas, de Corpos Caldeados, de Espíritos Acasalados. Transcendência de Limites, Tempo e Espaço. Duas Faces do mesmo Rosto de Beleza Simétrica e Imaculada. Eu quero… TE!

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

A Cura



Eu vi-A
Através da bruma
Longe da percepção das almas comuns
Enquanto deslizava pelo seu trilho
Desprovida de esperança
Pelo reconhecimento de alguns.

Aqueles olhos irrequietos
Numa busca ansiosa
Emanando uma Luz que a maioria ignoraria
Perscrutando a minha superfície
Deflagrando-me numa Verdade
Que aniquila a Noite e ressuscita o meu Dia.

Aquele Sorriso, Dela
Crepitando mistérios como uma vela
Agasalhou-me na brasa
Do Seu convite secreto
E redigido em exclusivo:
- Volta Amor… Volta para Casa!

E aqui estou eu… sob a Tua Asa.

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Bebe... Me



Pousa a garrafa
Responde ao meu apelo
Aproxima-te de mim
Permite que hidrate a tua Alma
Com toda a seiva do meu Ser.
Rasga a dor
Resgata o meu fervor
Deixa-me regar-te com o meu calor.
Agora bebe dos meus lábios
Profundamente
Profusamente
Embriaga-te no meu Sabor.
Bebe até perderes os sentidos
E naufraga na tela ebúrnea de um Sonho
Que iremos materializar fundidos.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Renascimento



Agora vejo do que realmente precisavas.
Agora assimilo o que realmente és.
Agora sinto o Real NADA que era, no fundo, para ti…
Foste Vital para mim, mas Agora… Adeus!

Renasço por um Sonho, mas como não presto, talvez me restem Pesadelos.
Todavia sirvo-me deste recanto, deste Fiel Amigo, como banho terapêutico para esta Alma. Talvez não venha a redigir com a cadência que sempre empreguei por cá… mas volto por mim para este Ninho. Volto a Suspirar por mim e por Ti… por quem me lê e consegue descortinar fragmentos reais desta carcaça putrefacta que luta por um Significado, por uma afirmação absoluta no Cerne da Eternidade de Alguém. Irei banhar-me no teu calor. Irei ladear o meu coração na tua essência, até descobrir a verdadeira razão pela qual bate. O meu fôlego irá esquentar em lume brando pelo teu Beijo. Quero um Beijo Real. Aquele que me desperta. Aquele que me transporta para a minha Verdadeira Identidade… onde eu sou Teu e tu exclusivamente Minha. Quero um Beijo que me renasça… o Teu!