quinta-feira, 21 de março de 2013

Expiação



Ela soube imediatamente que se encontrava em apuros desde o primeiro momento em que se aproximou dEle. Ele emanava controlo e poder predatório. Desorientava-a. Violava-lhe o critério, o discernimento, a sensatez. Mas Ela era teimosa, obstinada e convenceu-se que poderia subjugá-lo no seu próprio jogo.
Errada. Não poderia estar mais errada… e agora iria sofrer as gloriosas consequências do seu equívoco… do seu desafio.

«Mais!»… clamava Ela, com as entranhas contorcidas à sua mercê. Contudo, Ele porfiava no ritmo resolutamente lento das suas estocadas. Ela havia de decorá-lo com os seus lábios sulistas e melosos… centímetro a centímetro… veia a veia. Ele sorvia todo o prazer da sua tortura. Firmava o seu cabelo e puxava-o… num ferrão que arpoava o incontornável hedonismo.

Ele era um sacana por não deixá-la atingir o orgasmo. Seria? Ela sabia que o havia atiçado. Ela merecia penitência. Apenas não julgava que Ele iria retaliar com tamanha veemência.
A sua nádega direita recebe então a primeira palmada. «Por favor!», suplicava Ela. Ela sabia quais as palavras que Ele precisava, mas não desejava ceder. Ela queria preservar algum tipo de dignidade, depois de o ter afrontado libidinosamente. Todavia, estava literalmente a quebrar. Sentindo-se evaporar sob o seu jugo, sentia-se tentada a tocar no seu clítoris com os próprios dedos, mas "temia" a punição.

Uma segunda palmada estremeceu a sua nádega esquerda. Como se lhe estivesse a prometer o arrebatamento se Ela proferisse as palavras mágicas. A distância entre a boca dEle e o ouvido dEla é uma área que nunca deverá ser subvalorizada… mas naquele espaço apenas vogavam gemidos que marcavam o ritmo compassado. Usando a gravidade como terceiro elemento da dança, Ele investiu fatalmente.

«Tua! Sou Tua! Por favor, faz-me vir!», implorou enfim expugnada, enquanto se arremetia contra Ele. Ele aquiesceu com um sorriso. Mais rápido!… mais forte!… mais fundo! Tão fundo que parecia que lhe fodia o cérebro. E assim sucedia. A fricção no interior dEla dissolvia-lhe cada grama de poder que ainda lhe restava. O Orgasmo detonou-A… com réplicas de choque que estremeciam o seu corpo numa Beleza inenarrável. Ela ficou orgulhosa de ter renunciado a Ele… ignorando que na realidade, quem havia renunciado era Ele… para Sempre!… para Ela!… por Ela!

18 comentários:

  1. Intenso...

    Não precisa de mais comentários!






    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero que essa pausa te esteja a fazer bem.

      Eliminar
  2. Sr Eros , a cada vez que venho aqui sou surpreendida com um texto ainda mais delicioso ...a riqueza dos detalhes nos transporta para dentro da cena...excelente !
    Beijos de luara .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Felizmente, os dedos escorrem a ânsia e as vivências da Alma e do Corpo.

      Eliminar

  3. Quem controlou... perdeu o controlo...

    Beijos :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E na realidade, nunca esteve no controlo...

      Eliminar
  4. Delícia!!! Que delícia! Estou de volta por aqui, bjks

    ResponderEliminar
  5. Foda, foda, foda... Show mesmo. Parabéns.

    ResponderEliminar
  6. Fantástico.
    Gosto sempre de te ler, és intenso.

    Beijo sexy,
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No dia em que sentir a intensidade esvaecer de mim, deixo de marcar presença por cá.

      Eliminar
  7. Parece-me que ela portou-se muito mal e ele acabou por portar-se mal da melhor maneira possível.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A fina linha entre o Bem e o Mal.

      Eliminar
  8. Poxa!Estou tremula,e querendo,desejando, algo assim tão forte tão intenso.....bjks e ótimo final de semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então ataca o fim-de-semana com essa ferocidade... e triunfa!

      Eliminar