terça-feira, 5 de março de 2013

grafAR(TE)



Ela é como um pedaço de Papel que a maioria dos homens desejaria retalhar. Néscios, cujo conceito estropiado de virilidade encontra paralelo na estirpe canina. Outros homens irão apenas estacar em contemplação… sem a mínima noção do que fazer com Ela… com receio de cortes nas extremidades deste Papel peculiar.

O Papel pode ser rasgado. Pode ser cortado com o auxílio de tesouras. Podemos até empunhar uma régua e um x-acto para um golpe mais preciso. Todavia, refreando o batimento do Coração, prefiro munir-me do Intelecto para executar um vinco, cuidadosamente. Quero tomar o Papel nas minhas mãos… Avaliar as particularidades da sua superfície… Dobrá-lo com precisão… Deslizar um polegar ao longo da linha, adicionando um pouco da unha. Numa acção que deverá ser repetida, pacientemente. Metodicamente. Como meditação.

Rasgos e lâminas são perfeitamente dispensáveis. No final deste procedimento, o Papel irá ceder gentilmente nas minhas mãos... Expondo as fibras que o enfeixavam… aqueles filamentos que as tesouras e os rasgos abruptos ignoram. Só após este desenlace poderei realmente começar a escrever no Papel, devidamente familiarizado com as fibras ocultas que acolhem cada uma das minhas penadas.

34 comentários:

  1. paciência e dedicação...
    gosto, Eros!

    beijos:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais do que virtudes, representam Arte!

      Beijos

      Eliminar
  2. Tomá-lo com a delicadeza dos dedos... o rigor das suas mãos!

    Beijo em ti

    ResponderEliminar
  3. Meu doce Eros,das qualidades que mais aprecio em ti,é essa tua capacidade de delicadeza e dedicação vestida de desejo.
    Lindo!
    Beijo enorme em ti,meu lindo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deliciosa Mary,
      Trajas essa idoneidade, que lobriga a Beleza indissociável entre o acto de vestir e despir sentimentos.

      Beijo carinhoso em Ti!

      Eliminar

  4. De uma subtileza intoxicante!!
    Genial ;)

    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Prefiro subtilezas sufocantes... :)
      Obrigado Eva!

      Beijinho

      Eliminar
  5. Há que comunicar com o papel, escutá-lo...lê-lo...antes de qualquer outra coisa!Criar laços com ele!Depois de analisados os pormenores ao pormenor então ai sim, debitar-lhe os gritos da alma!

    Ártemis

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E por fim... até reciclá-lo!

      Eliminar
  6. Sensibilidade para observar a obra e fazer dela arte , eis um dom que poucos possuem .
    Deliciosas palavras as tuas .
    Beijos de Silmara .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Interpretá-la e reinterpretá-la... vezes sem conta!

      Bem-vinda! :)
      Beijos

      Eliminar
  7. palavras ..... cuidadosamente escolhidas.......

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Actos... cuidadosamente definidos...

      Eliminar
  8. Meu caro Eros, quanta perspicácia tens tu ao moldar essa criatura que se define MULHER.
    Estupenda narrativa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Dark!
      Eu nunca a moldarei... quanto muito, exponenciarei!

      Eliminar
  9. Eros perito em origami... Passei para deixar um beijo*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Origami? Nada disso!
      Origami é a Arte de dobrar papel sem recorrer a cortes ou colagens. Eu adoro recortar subtilmente o Papel... desnudar a Essência que o define.

      Beijo*

      Eliminar
    2. Interessante... Li o texto de novo e continua a parecer-me que dobras o papel e não que o cortas...

      "Quero tomar o Papel nas minhas mãos… Avaliar as particularidades da sua superfície… Dobrá-lo com precisão… "

      "Rasgos e lâminas são perfeitamente dispensáveis."

      "No final deste procedimento, o Papel irá ceder gentilmente nas minhas mãos..."

      "aqueles filamentos que as tesouras e os rasgos abruptos ignoram."

      De facto a palavra é metade de quem a pronuncia e metade de quem a ouve.
      Só queria mesmo mostrar-te que na minha percepção ao ler o teu texto me dá a entender que dobras gentilmente uma folha de papel até adquirir a forma que desejares, não penses que foi por ter lido o teu texto na transversal ou por ter lido à pressa ou por alto, li-o, li-o bem, reli-o e voltei a consumir cada palavra...

      Perdoa o meu lapso a minha percepção errónea.

      Um beijo

      Eliminar
    3. Não tenho nada a perdoar, pois a interpretação de um texto é supra-pessoal :)

      Mas agradeço-te profundamente o facto de me leres e releres, para decifrares os meus filamentos.

      Beijo

      Eliminar
  10. No era do email e da tecnologia cabo-te o gosto pelo papel e não só.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A orgânica inerente é absolutamente sensorial... é indescritível a forma como o próprio cheiro nos inebria.
      Beijo.

      Eliminar
  11. Olá Eros,

    Que magnífica dedicação dessas tuas mãos em trabalhos "tão manuais". Antevejo, nesta minha imaginação a delicadeza e subtileza dessa escrita...
    Adorei tão bela narrativa.
    Beijinhos
    Águia

    ResponderEliminar
  12. deliciosos escorreres... :)

    ResponderEliminar
  13. Tanto haveria a dizer sobre a tua capacidade sublime de Grafar meu querido Eros... A subtizela e a fúria, a calma e a urgência, como brincas com a dualidade de sentidos das palavras que tanto me encanta....como incutes forma ao que escreves, deixando por vezes pequenos vincos que se adivinham e outras vezes grandes rasgos irreparáveis.

    Hoje brinco eu com a dualidade da fonética.
    Porque adoro a faixa, deixo os Vampire Weekend com "Walcott" mas aludindo ao teu tema escolho apelida-la de "Wall cut"

    http://youtu.be/AwiOHDg8O3I

    Beijoooooos
    da Tua *Estrela*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito, muito bom jogo de palavras.
      E sim... adoro contrastes!

      Eliminar