terça-feira, 9 de abril de 2013

Urgência por Vivência



Fora deste quarto, sinto-me dormente.
Solitário. Olvido sentimentos. Olvido emoções.
Quero ser forte para deixar de exibir vulnerabilidade.
Quero Viver! Quero ser Vivido!!
Que se fodam os pseudo-mantras!
Enviaste faíscas por todos os meus nervos. Descobriste o meu fio condutor e com o menor contacto, deflagras-me em chamas ardentes.
Dor, Prazer… venha de lá Tudo… atropela-me!
Desperta a besta anestesiada em mim e sente a palma da minha mão desabar no Teu rabo, nas Tuas coxas, nas Tuas mamas, nos Teus lábios vaginais… até os fios destilados gemerem pelas minhas estocadas, pelo suor do meu corpo enfrascado no Teu. Estou pronto. Estarás pronta?
É disto que eu preciso! De Ti! Sobre Ti, sob Ti, atrás de Ti. Enquanto o fogo da fricção que gero em Ti coincidir com a ferroada dos meus esticões nesse cabelo. Fode-me! Faz-me vir violentamente. Eu quero lembrar… eu PRECISO de me lembrar… e pensar nestes momentos quando a dormência tentar apoderar-se de mim na Tua ausência.

10 comentários:


  1. Muito bem dito!
    Essas urgências é que impelem o nosso corpo a procurar o prazer supremo... que é tão mais alucinante e arrebatador ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Venha de lá então o prazer supremo... e sem estorvos linguísticos: que se FODA o resto!

      Eliminar
  2. Qualquer coisa é melhor do que não sentir nada...
    A dormência é o pior dos sentimentos, o vazio é um lugar triste que só nos desumaniza.

    Ártemis

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu gosto de dormência. Quando apenas serve de pausa na transcendência :P

      Eliminar
  3. Eh lah...oh Eros hoje estás possuído pela urgência??
    Vem aqui uma pessoa,sossegada,e saí daqui toda desassossegada!!!
    Eu é que me senti atropelada..

    Beijo enorme em ti :*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se fosse apenas hoje...
      Mas há atropelos que sabem tão bem, principalmente aqueles que nos desconstroem... aqueles protagonizados por alguém que nos dedica todo o seu cuidado.

      Beijo Mary :)

      Eliminar
  4. Excelente texto. Estar em repouso de sentimentos não significa, que estejam esquecidos.E a vulnerabilidade é muito normal nos seres e nunca encarei isto como um defeito. Fico muito feliz, ver-te despertar para a Vida. Esse desejo de " Quero Viver e Ser Vivido, só demonstra a força adormecida que em Ti habita e que está pronta a soltar-se e a ser vivida. E com estas palavras, quem não gostaria de ser atropelado ou não estaria pronto....
    Hum...algo me diz que o despertar dessa fera, deve ser algo encantador e transcendental.

    Beijinhos
    Águia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, no fundo há que ganhar de uma vez por todas respeito próprio. A partir daí, a Vida dói um pouco menos... e a cegueira desaparece.
      O assomar da fera... será um renascimento natural.

      Beijinhos

      Eliminar
  5. Meu querido Eros, essa vulnerabilidade que pensas exibir, nada mais demonstra do que a intensidade do teu sentir.... Nada há de vulnerável na saudade, no ansiar reviver as descargas elétricas do prazer.
    Nunca te subestimes, nunca te desvalorizes, porque tu, até mesmo no estado de dormência de que almejas fugir, és mais do que comum, és único e invulgar, és um Homem singular.
    Que se proteja a Alma a quem dirigires o teu intenso raio....porque não duvido que uma descarga dessa intensidade fulminará o seu alvo ;)

    Beijos eternamente constelados
    da Tua *Estrela*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há realmente dias em que não podemos confiar nos nossos olhos.
      Há que fechá-los, e ver com a Mente e o Coração unidos num daqueles momentos de pura epifania. E nesse momento, VER pelos olhos de Alguém que nos Vê, Deseja e Anseia verdadeiramente.
      O resto... o resto são gentes que nos usam, sugam o que precisam de nós e depois... partem para outra, deixando-nos combalidos na solidão... no fundo, como um vírus.

      Beijo

      Eliminar