terça-feira, 28 de maio de 2013

Língua Afiada



«Eu não fodo com pessoas como tu.»
Ele parou o que estava a fazer, olhou para cima, através do formato em “V” das suas coxas e questionou-a: «Pessoas como eu?»
«Amigos!»
«Ai não? Então o que estamos a fazer?»
«Estamos a foder. Aliás, estamos prestes a foder. E neste momento, estás a sair-te muito bem.»
Ele calou-se e retomou o que estava a fazer. Deslizava a língua ao longo da sua fenda rociada e trespassava o seu portal carnal com dois dedos. Escutou-a abafar um gemido… através do silvo profundo que escapou pelo esmalte dos seus dentes. E parou abruptamente.
«Quem Te defendeu quando Te gozavam na primária com a alcunha de Cenourinha?»
«Foste tu. Mas porque paraste? Não pares!»
Ele sorriu de forma travessa e girou o seu polegar em torno daquela preciosa protuberância que espreitava através do seu capuz empolado. A sua respiração tornava-se cada vez mais pesada. Quando sacudiu o seu clítoris com a precisão de um metrónomo, sentiu-a enrolar os dedos dos pés e voltou a parar abruptamente.
«Sei quase tudo sobre Ti. Sei qual foi o Teu primeiro concerto, sei qual é o filme que mais Te faz chorar, sei qual foi o Amor da Tua Vida, sei qual é a Tua maior ambição profissional… até sei como esfregas a nuca quando te aprestas a mentir…»
«Mas porque estás a falar quando me poderias estar a fazer vir?»
«Jamais Te atreverias a falar assim com uma pessoa qualquer que fodias.»
«Por favor… não pares!»
Ele prosseguiu com o dedilhar lânguido, mas não cessou as palavras.
«Quando Te vens para mim, até vês constelações. O Teu corpo explode como o Vesúvio e encharcas tudo em Teu redor. Isso acontece com outros homens?»
Ela esfregou a nuca e respondeu-lhe arrufada:
«Claro que sim! E se não me fizeres vir agora, espremo-te de tal forma que ficas sem poder foder durante um ano. Foda-se!… Que estás a tentar provar com essa ladainha?»
Ele soltou uma gargalhada. Adorava desafiá-la ao ponto de perder a compostura. Era tão fácil. Puro entretenimento. Simples. Ele debruçou-se, recolheu o seu clítoris entre os seus lábios, sugou-o sofregamente e abriu a sua boca esfaimada para colher cada gotícula do xarope que jorrava como uma fonte dulcificada entre as suas coxas.
Ela gemeu e gritou, enclausurando-o com o seu corpo naquele ponto de bênção irrigada. Ele soprou o seu restante fôlego acirrando ainda mais estremecimentos e suspiros. Sorriu, libertou-se do doce cativeiro e olhou-a em contra picado vislumbrando-a boquiaberta em êxtase.
«Estou a tentar provar-Te que deverias mentir menos vezes… e foder mais vezes com pessoas como eu.»

30 comentários:

  1. Que delicia... até eu estava a ler e a pensar mas ele não se cala!? (lololol)
    Sinto cada palavrinha tua :)

    Um beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ele tem a mania que tem muita lábia... ;)

      Beijo

      Eliminar
  2. acho que ficou provado. espero que ele se dê por (con)vencida :)
    ou então, e tu vais ter de continuar a prov(á)ar-(la)lhe, vezes sem conta, que deve foder pessoas como tu :))))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou sempre preparado para este tipo de pedagogia... e se for necessário recorrer a reguadas, certamente não me farei rogado para lhe deixar num tom bem rosado... ;)

      Eliminar
    2. tem uma continuação, esta história?

      Eliminar
    3. Teve continuações... no plural, curiosamente.

      Eliminar

  3. Uma cumplicidade e entendimento que melhoram muito o entusamento de ambos!

    Beijos moçoilo ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma cumplicidade sem papas na língua.

      Beijos moçoila :)

      Eliminar
  4. Isto é que é não ter papas na língua...com bons argumentos os debates ficam muito facilitados!
    Quem tem boca vai a Roma...mas quem tem língua afiada vai onde quer fica aqui provado!

    Ártemis

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os recursos linguísticos jamais deverão ser menosprezados. Como bem (te) sabe... certamente.
      ;)

      Eliminar
  5. Por estranho que pareça, existem momentos que parecem transversais... com a diferença que quando mentia, sorria desalmadamente e fui apanhada.
    Nada como ser desafiada por uma língua como essa ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nesses casos de irreverência, é sempre adequado ter por perto uma boa língua para vergastadas correctivas ;)

      Eliminar
  6. Oh, que bonito o teu texto, adorei :)

    Eu espero que ela comece a mentir menos vezes :)

    Um beijinho*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não creio que se torne menos afoita, pois nunca se renega uma língua que açoita... :)

      Beijinho Emilie.

      Eliminar
  7. Como não gostar desse texto?Adorei,principalmente ao fato de que deve-se mesmo mentir menos e foder mais...bem mais(risos)bjks!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há sempre uma moral no final de cada história... ;)

      Beijo

      Eliminar
  8. Amigos com talento para a(s) língua(s) é sempre bom manter por perto. Melhor ainda que nos conhecem tão bem. :)

    Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É sempre bom reconhecer a utilidade de amigos poliglotas e com talento para múltiplos tipos de leitura... como o Braille... ;)

      Beijos

      Eliminar
  9. Ler-te é viver-te !

    Um beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso tanto pode revelar-se inquietante como excitante... ;)

      Beijo

      Eliminar
  10. Uma "certa" cumplicidade assim ... em que se sabe exatamente como "desarmar" a outra pessoa fazem esses momentos ainda mais desafiadores ;)
    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O segredo não é apenas saber desarmar... mas a(r)mar convenientemente... ;)

      Beijo

      Eliminar
  11. A cumplicidade de uma amizade permite atingir píncaros de intimidade inigualáveis em qualquer outro tipo de relação. Quem disse que Amigos não podem foder? Afinal, as coisas boas são para se partilhar!
    Adorei e....tocou-me esta
    Violent Femmes - Lies
    “Well I'm reading this poem
    And it's so profound
    And I like it's rhythm
    And I like it's sound
    It's by a very famous poet
    No critic can criticise
    And then I pause a moment
    And I start to realize
    (S)He's tellin'
    Lies lies lies

    He's preachin' up a storm
    By the sea of Galilee
    He's mixin' up the truth
    With something funny I start to see
    (S)He's tellin'
    Lies lies lies

    And GOD help us all
    Not to be so stone surprised
    When we wake up in the stars
    With the skies in our eyes
    If we keep tellin'
    Lies lies lies”


    Nunca fui adepta de mentiras portanto, cabe-me a outra parte porque ver constelações é que é para mim :)

    Beijos constelados
    da Tua *Estrela*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ninguém te faz ver constelações, pois já fazes parte das mesmas.
      Quando muito, explodem-te numa Supernova :)

      Beijo constelado

      Eliminar
  12. Confesso...gosto especialmente do «Por favor… não pares!».
    Não apenas neste relato especificamente :)
    Beijo,
    OF

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh... o poder de uma bela e doce súplica... matéria para Epopeias! :)

      Beijo

      Eliminar
  13. Nada como saber exactamente tocar os pontos certos da outra pessoa, mas isso é para quem se dá ao trabalho de ir conhecendo a outra parte.








    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dedicação! Hoje e Sempre!

      Beijo

      Eliminar
    2. Exactamente!
      Mas hoje em dia as pessoas não se dão ao trabalho, querem tudo rápido tipo fast food, e as emoções não resultam assim.







      Beijo grande

      Eliminar
    3. Há que buscar aquelas que dominam o verdadeiro significado de degustação.

      Beijo

      Eliminar