quinta-feira, 30 de maio de 2013

Semiótica de um Desejo


Firma-me pela nuca e antes de sepultares essa língua na minha boca, sussurra-me todo o tipo de lascívia que jamais conjeturaria ser proferida por uma boca tão aparentemente casta. Rasga-me trilhos carmins ao longo do peito até estremecer num furor vulcânico. Desce com a Tua boca, centímetro a centímetro, e empola-me ao ponto de agonia. Envolve-me com as duas mãos. Envolve-me com a Alma. Envolve-me com o Coração. Envolve-me com as Tuas mamas. Envolve-me com o arco dos Teus pés. Encaixa-me nos Teus hiatos, esfomeada, sorvendo-me com o magnetismo dessa visão empinada. Olha-me então bem nos olhos… e deixa que Te narrem a minha História.

14 comentários:

  1. Mamilos endurecidos?! Uiii... uma perdição para uma língua sedenta e para uma alma em chamas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Difíceis de colmatar, diria... Seriam precisas horas...

      Eliminar
    2. Meses... Anos... Vidas...

      Eliminar
  2. Fazes apetecer, Eros! ...quente e doce e misterioso ao mesmo tempo...
    e muito bom, como sempre :)

    beijos!

    ResponderEliminar
  3. Quem disse que a Semiótica era algo de aborrecido? É uma arte saber ler um sistema. :)


    Beijos! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O entretenimento assume tantas formas... :)

      Beijos!

      Eliminar
  4. Mais um...daqueles que ficamos inibriadas...

    Beijo

    ResponderEliminar
  5. E os olhos falam tanto, numa outra parte do corpo (talvez a boca, mas não em palavras) consiga narrar a história mais profundamente sentida quando a entrega é desse tamanho que descreves no desejo de sentir o outro.
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando há Sentimento genuíno, todo o Corpo comunica de forma eloquente.

      Eliminar