terça-feira, 7 de maio de 2013

venDADA



Fogo-de-artifício coruscava de prazer a Tua paisagem encoberta.
Quando Te amarro, faço-o por mim. Pelos laços da minha avareza. Para Te dominar sem freios. Para Te lamber até Te dissolveres no meu rosto, sem possibilidade de Te tocares. Para Te esquentar em palmadas sem o estorvo de uma mão inoportuna. Para dares o rabo à palmatória. Para Te soprar um bafo morno pelo interior dessas coxas onde há pouco deslizava gelo. Para Te invocar com dois dedos dentro de Ti, enquanto a palma da minha mão esfrega o Teu clítoris até Te vires e vires e vires, sem possibilidade para afastares a minha mão quando julgas ser demasiado.
Quando Te amarro, deixo-Te vulnerável… Minha! O meu Desejo, a minha Extravagância, o meu Capricho! Subjugada! Torturando-Te, quando me masturbo a centímetros do Teu rosto, sem que me possas tocar. Indefesa e soçobrada no efeito de Pavlov.
Quando Te vendo, faço-o por Ti. Envolvo-Te em generosidade. Numa extensão dos Teus restantes quatro sentidos, acirrados para além dos seus limites. O Tacto, exponenciado pelo contraste entre uma chibatada desabada inesperadamente e o afago de uma pena deslizando pelo fundo das Tuas costas. O Paladar, exponenciado sem o estorvo dos olhos… como se provasses pela primeira vez a doçura de um beijo, o salgado da nossa transpiração confluente, a cremosidade agridoce do meu néctar. O Olfacto, exponenciado pela frescura dos nossos lençóis, pela pureza do cheiro a orvalhada matinal que provém do exterior, pela fragrância sexual que adeja pelo quarto. A Audição, exponenciada pelos mais subtis gemidos que liberamos, estimulada pelo constante vaivém chapinhado, atiçada pela nossa respiração entrecortada.
Tu julgas que o facto de não veres o que está para acontecer Te livra de responsabilidades.
Estás enganada! Tão enganada…

28 comentários:

  1. woww.. quando for grande quero escrever assim... e mais coisas assim...:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que se lixe a escrita!
      Vive primeiro e depois imortaliza o Momento em palavras... pois quaisquer palavras servirão :)

      Eliminar
  2. 'Quaisquer palavras servirão' rs .. fato! ..
    Beijo Poeta.
    ;)

    ResponderEliminar
  3. E quando isso acontecer comigo, tenho a certeza que o mundo lá fora deixará de existir.
    As tuas palavras são sentidas como gestos.

    *Beijos*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O teu carinho é certamente apreciado.

      Beijos*

      Eliminar
  4. Todos os actos implicão alguma responsabilidade.
    neste caso abençoada

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grande poder acarreta grande responsabilidade.

      Eliminar
  5. Dizem que o que os olhos são privados de ver...o coração não sente. Será?
    A mim não me parece...eu acho que quando nos falha um dos sentidos, os outros apuram-se, e depois não esqueçamos, quem tudo vê, quem tudo escuta, quem tudo saboreia e tudo sente é o nosso maior sentido de todos...a Alma.
    Todos os outros se podem facilmente enganar, mas a alma essa saberá sempre a verdade de todas as coisas.

    Ártemis

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Absolutamente de acordo.
      A Alma vê bem antes de termos sequer enxergado.

      Eliminar
  6. Amarras-me as duas palavras...
    delícia...
    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há palavras que funcionam melhor que mil algemas...

      Beijo

      Eliminar
  7. Tens um dom com palavras.... Conseguiste arrepiar o meu ser até à alma...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tenho qualquer dom sobre as palavras, quanto muito serão elas que terão um dom sobre mim... :)
      Todavia, confesso que arrepiar alguém tão letrado como tu, me deixa envaidecido. Obrigado, novamente, pelo sorriso... estás a tornar-te perita em despoletar-me vários... aliás, múltiplos ;)

      Eliminar
  8. Maravilhoso! Simples assim...

    Bjooooo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Beijo maravilhado, então... ;)

      Eliminar

  9. Seguramente terá ainda mais responsabilidade ao guiar-se pelos restantes sentidos na partilha dos prazeres, exultando os sentires a um expoente superior!

    Beijinho, moçoilo ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A responsabilidade reside na percepção da presença, mesmo que seja difícil manter o discernimento quando ascendemos ao êxtase.

      Beijinho moçoila :)

      Eliminar
  10. Quero isto, agora! ;)
    É bom saber que continuas inspirado e que continuas a inspirar-nos ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assim sendo, voto de belas reinterpretações da inspiração :)

      Eliminar
  11. Maravilhoso! Mas não prives a moça do sentido da visão, tão importante num acto desses...
    Pelo menos, que o lenço seja de seda... e as cordas de cetim... ;O)

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há dias para todos os gostos, texturas e sentidos... ;)

      Beijinho!

      Eliminar
  12. Fascinada com a imagem, anestesiada com a imagem...amo...deliro...nem li o texto direito...desculpa...

    Uma vénia para esta imagem !!!

    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fazes bem... não percas tempo com as linhas... são irrelevantes!

      Beijo

      Eliminar
  13. Respostas
    1. Requinte, acima de tudo.
      E sim, como não está amordaçada, poderá haver sussurros ;)

      Eliminar
  14. Adoro quando te desdobras e expões a dualidade da realidade vista de diferentes prismas. Adoro essa tua capacidade de reinterpretar os momentos e de os Ver em toda a sua plenitude e não apenas direccionado para um foco.
    A privação dos sentidos exponência a exploração de outros, mas isso não é nenhuma novidade. O que retenho deste texto, além da enorme pujança que escorre de cada palavras, é a forma sublime como procuras o equilíbrio entre o dar e o receber, entre o prazer que obtens e o que proporcionas. As tuas palavras transpiram raiva e carinho em iguais proporções e é isso que te torna único.
    Já tinha saudades destes registos sôfregos :)

    Beijos constelados
    da Tua *Estrela*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São reinterpretações que irão sempre representar uma extensão da vivência de contrastes. Pois será sempre num jogo fervoroso de dualidades que o âmago será abalado e desconstruído. E neste sopro existencial, jamais me permitirei a menos do que almejar a transcendência. Essa é a minha única Ambição.

      Beijo constelado :)

      Eliminar