quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Homofonia



Irei amar a Tua boca
Até se encher de vogais
Até constatar assonância
A verter dos Teus Lábios.
Buscarei sugestões
Nos padrões da Tua pele
E declamarei poemas
Que espreguicem os Teus ossos
E corrompam as Tuas tensões
Descerrando-Te
Com a minha voz.
Irei amar as Tuas pernas
Aliterativas
Desde os tornozelos
Até às nádegas
Fodendo-Te em linhas paralelas
Até findares em Rimas.
Irei amar-Te
Até nos perdermos
Numa Homofonia extrema.

2 comentários:

  1. Delícia de poema Eros.... um jogo de palavras muito interessante.
    Li o poema em voz alta.... as rimas aliteradas são somente para os bons poetas...
    principalmente as rimas anasaladas...
    Sensacional...

    ResponderEliminar