quarta-feira, 18 de março de 2015

O Último Suspiro da Rosa



Segredei à Rosa
Sobre noites como esta.
Sobre o frio
Onde toda a cor
Padece.
Sussurrei-lhe que a própria chuva
Esvaece
Em mantas espessas
Que subjugam
Dobrando-A
Com um peso usurpador
Para as suas pétalas.

Ela gosta destas Estórias…
Sobre flores
Esmagadas
Nos braços do Amor.
Sobre mãos estivais
Tão quentes que escaldam
Trespassando-A
Sob o vestido escarlate.

Ela sonha
Com o tal regaço
Quente
Do Amor inclemente
Que embrulha
Incendeia
Macera
Exsuda.

Ela jorra
O seu perfume a sangue
Pelo viço primaveril
Despindo a sua pele
Atando-se às minhas veias
E agasalhando-se num cobertor
Urdido em Suspiros.

4 comentários: