quinta-feira, 30 de abril de 2015

Right Path… Night Path…



Talvez se deva a ter crescido sem a sua presença, mas detesto aparelhos de ar-condicionado… especialmente à noite. Mascaram os sons da noite… fazem-nos fechar as janelas incentivando o desperdício da fragrância noturna. Rapinam o calor do nosso corpo e o respetivo licor afrodisíaco. Deem-me o barulho dos carros, o som de comboios distantes, de relâmpagos longínquos, de sirenes excitadas. Deem-me o cheiro da relva sonâmbula, do orvalho matinal, das flores noctívagas, de Ti. Dá-me o Teu calor, o Teu suor, o lençol da Tua pele. Quero grilos, caninos vampirescos e uivos aluados. Serão sempre os sinais de vida a sossegarem-me a Alma através de um corpo desassossegado.

6 comentários:

  1. Sua sensualidade selvagem, na medida certa, é difícil de conseguir. Belas imagens e ótimos textos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado pelo carinho.

      Eliminar
  2. Deem-me a vida a entrar pelos poros de todos os sentidos...
    Só assim a vida faz sentido!


    Beijo enorme em tu!

    ps: saudades de passear por aqui...

    ResponderEliminar