quarta-feira, 29 de julho de 2015

La Petite Mort qui Sourit



Com o auxílio de quarenta pontos
E vinte parêntesis
Desenhaste vinte smiles
Na ponta dos nossos dedos.
Depois,
Uniste as nossas mãos
Fundiste o Teu olhar no meu
E sussurraste:
«Escuta…
Escuta como segredam sobre Nós…»,
Enevoando o olhar, remataste:
«Dizem que me vais foder!».

Lavei então as minhas pinturas
Dentro de Ti
E,
Todas as Tuas
Jazem hoje esborratadas
Ao longo das minhas costas,
Cada uma esvaecida
Nas suas pequenas mortes.

8 comentários:

  1. Admiro a tua criatividade incrível. Continua a pintar o corpo, e continua a pintar-nos a imaginação!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Neste caso específico, a criatividade foi inteiramente dEla.

      Eliminar
  2. Simplesmente magnífico... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Surpresas que eternizam momentos.

      Eliminar
  3. ...é caso para dizer que é uma morte exponencialmente sagrada!

    Beijo daqui até aí ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem necessidade de penitência...

      Beijo

      Eliminar
  4. Pinturas que não saem de nós, não se desvanecem, marcam!

    Eros :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem mais perenes que as rupestres...
      ;)

      Eliminar