quinta-feira, 20 de julho de 2017

Escrevo-Te um Beijo



Os céus batalham
Com lençóis de orvalho
E escoam nuvens
Que expiram em uníssono:
Lava o pólen das tuas mãos!
A brisa copula com a noite
Que por sua vez destila
Fluídos lustrosos
Entre as suas coxas.
Dou uma trinca
Em luas regadas de mel
E a ferida sara
Instantaneamente.
Os céus despem-se…
Mostram um corpo sardento
De constelações ardentes.
Por fim, um corvo assoma
Num voo rasante
Com asas embaladas em fumo…
E observo como se afasta
Com um suspiro entrecortado
De Libido.

Wanderlust


Everybody's Got a Thing


quarta-feira, 19 de julho de 2017

Corbã



A palavra escapa-me
Mas é a forma como dormes…
A disposição das Tuas pernas…
De costas voltadas
E um dos joelhos erguidos…
A palavra escapa-me
Mas o Teu corpo não
Há algo nessa posição
A forma… como Te expõe…
A forma… como Te e(n)leva…
E dispõe…
Mesmo no Teu sono
Às minhas mãos
À minha boca
E quando despertas
À vontade que me ofertas.

Wanderlust



... falta uma semana...

Sem Meias Medidas


terça-feira, 18 de julho de 2017

exCITAÇÕES



(…)

naquela noite em Janeiro
andava louco para te conhecer
não esperava que me desses um beijo
e o tempo todo que ele me pôs a tremer
andámos pela chuva a cair
pelo cheiro da roupa a revelar
e a ver o castelo
tantos beijos nervosos a convidar-me subir tua escada
sem saber do calor
que é flutuar de mão dada
enlaçado com o meu amor
amor que me traz
carinhos que me deixam em flor
suspiros de paz do meu amor

(…)


Wanderlust


Everybody's Got a Thing


segunda-feira, 17 de julho de 2017

Diluído pelo Dilúculo



Desperto
De olhos entreabertos
E antes de banhar os cinco sentidos
Pela alvorada
Ela investe sobre a minha
Concentração
Dos pés à cabeça
Latejante
Enquanto me regala
E arregala
A visão
De olhos travessos
Num corpo bronzeado
Em canícula
De cabelos perfumados
Em resquícios do luar
De uma voz que sussurra
Encantamentos de serpente
E de lábios melados
Que se despem
Em longos beijos.

«Bom dia!»,
Diz o meu... suspiro.

Wanderlust


Sem Meias Medidas


sexta-feira, 14 de julho de 2017

Nós de Terminação



A primeira vez que fodemos tinha de ser obscena, indecente, suja.
Precisava de sentir a Tua pele colada na minha, com a urgência de uma vítima de assalto agarrando-se ao que lhe restava no seu stress pós-traumático. Precisava que o suor fosse uma membrana natural entre nós, escorregadia, que nos torcia e contorcia um contra o outro… um pouco de lubrificação, antes de Te besuntar nos Teus próprios sucos. Precisava de passar os meus dedos pelos Teus cabelos até senti-los emaranhados, observando o Teu rosto retrair enquanto não retraía o movimento, desbravando caminhos para Te manipular a postura.

Na segunda vez que fodemos tinha de ser imaculada, decorosa, limpa.
Precisava de cheirar aromas forasteiros em Ti, e de encontrar aquele que forma a base de todos os outros. Precisava de provar-Te crua, sem o travo salgado da exortação a toldar o sabor primordial. Precisava do Teu cabelo sedoso, deslizando sensorialmente entre os meus dedos, enquanto tentava firmá-lo.

Preciso-Te baralhada, enquanto baralho e volto a dar(Te).
Aturdida. Fundida. Confundida.
E devidamente fodida.
Sem saber onde um de Nós (de)termina e o outro (re)começa.

Wanderlust


Foodie… do


Everybody's Got a Thing


quinta-feira, 13 de julho de 2017

A.C.



Há pessoas que apesar de pequenas e concentradas, transmitem uma sensação adamastoriana diante qualquer porta. Há algo na forma como carregam a sua personalidade, o seu sorriso, a sua postura… como se fossem uma montanha que tenta forçar a entrada numa livraria. Ela é uma dessas. Todo o seu tamanho é transportado pelo seu olhar… um monumento que se espreme para encaixar no espaço exíguo entre o meu peito.

Wanderlust


Sem Meias Medidas


quarta-feira, 12 de julho de 2017

Solar das Promessas



Vem
Pôr-do-Sol
E atenta como emergem
Os pirilampos.
Há esperança
No momento em que o Sol
Se debruça no horizonte
Demasiado cansado
Para se manter nos céus…
Uma promessa
De um amanhã
Revigorante
E arrebatadoramente
Luminoso
Para ser escoltado
Entre duas mãos.

Wanderlust


Everybody's Got a Thing


sexta-feira, 7 de julho de 2017

Há Lobo no Cais



Olho para a Lua
Cheia
E penso na Tua garganta…
Quando engoles…
Daquele movimento animalesco
Sob a Tua pele
Sob a minha boca. Alguns predadores
São atraídos pelo movimento,
Pelo latejar de algo quente
Sob as suas presas. Algumas pessoas
Julgam que os lobos
Uivam para a lua… mas equivocam-se.
O Lobo uiva
Pela noite
Para se revelar!

Foodie… do


Sem Meias Medidas


terça-feira, 4 de julho de 2017

A Morada Púrpura



Era-lhe difícil… falar dela própria. Nunca soube porquê. Mas um dia, deitados, desnudos, no escuro, ainda alagados em Amor, disse-me que o seu pai lhe costumava chamar “Amora”… “a minha pequena Amora”. Era uma alcunha que usou com ela até morrer… e ela nunca se lembrou de lhe perguntar porquê. Ela apenas… o aceitou.

Colhi-a nos meus braços… sorvi o seu beijo… e senti o meu rosto e as minhas mãos purpurearem com a noite que habitava nela.

Everybody's Got a Thing


sexta-feira, 30 de junho de 2017

Quanto Tempo Demora até Chegar o Agora?



Afronta o meu Tempo.
Desafia as minhas expectativas.
Gosto de mulheres que se cobrem quando se desnudam. Um braço ao longo do peito, outro espalmando as pontas dos dedos entre as suas pernas, cada qual representando um ponto de contenção com o qual posso argumentar eloquentemente. Gosto de trabalhar, e gosto de merecer aquilo pelo qual trabalhei. Portanto, não me entregues nada de bandeja. Compele-me a formar uma ordem. Força-me a forçar-Te. Mostra-me que és digna do meu domínio e granjearei a Tua submissão. Porque qualquer coisa dada de barato, jamais nos fará apreciar o valor a pagar pelo bilhete. Preciso desse momento de êxtase, que paira antes do ímpeto de Te confiscar a mente e derrubar aos meus pés. Preciso do suspiro que escapa dos Teus lábios, como quando me deito em lençóis frescos no final de um longo dia estival. Preciso daquele sorriso que nem sabia deter, quando entras no meu campo de visão. E Tu sabes ser A única que me faz envergá-lo. Preciso igualmente de desafiar as Tuas expectativas, sentando-me ao Teu lado com o cabelo a ficar grisalho, mas ainda assim a evocar o vislumbre do rapaz pelo qual Te enamoraste perdidamente há anos.

Everybody's Got a Thing


Wanderlust


quinta-feira, 29 de junho de 2017

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Dou-Te a Minha Palavra



Depois de Tudo e do Todo
Ela perguntou-me
Se me recordava daquilo que lhe proferia
Durante a fogosidade carnal
Ou se as minhas palavras
Apenas endureciam como o meu corpo
Fora de controlo.

Afaguei os seus cabelos
Com os meus dedos, e
Arranhei suavemente as suas costas.
«Lembro-me de Tudo!
Daquilo que Te digo
Da cada alternância na Tua respiração
De como Te esfregas contra mim…
Lembro-me de Tudo…
Como um Todo!»

Lembrei-lhe ainda
Quando lhe confessei
Como sentia a sua fragrância
Pelo meu dia de trabalho
Como se estivesse debruçada
Na minha secretária…
(Re)Lembrando-lhe,
Como registo a forma
Como escurecem os seus olhos
Enquanto jorro cada palavra.

Everybody's Got a Thing


terça-feira, 27 de junho de 2017

Alameda



Apartados
Com meio mundo de distância
A minha Lua espreita durante o Teu nascer do Sol.
Assim sendo
Como
Poderei
Dormir
Se os meus sonhos estão despertos
Nos
Teus
Olhos?

Wanderlust