quarta-feira, 31 de maio de 2017

2003



Apaixonar-me por ti
Foi como começar a ver uma série televisiva
Que sabia ter apenas uma temporada.
Assistir episódio atrás de episódio
Projectando um coração nas personagens
Preso e siderado no enredo,
Apesar de ter a noção
Que tudo acabaria em breve…
Talvez com um final em aberto
Ou com a possibilidade de um Spin-off
Mas sem qualquer hipótese
De Final Feliz.

E mesmo assim
Não consigo negar
Que valeu a pena cada estocada de dor.

Wanderlust


Everybody's Got a Thing


terça-feira, 30 de maio de 2017

No Colo da Memória



Adoro a história do antigo Egipto e daquilo que sobra em monumentos majestosos, mas não passam de ruínas a deuses e faraós há muito perecidos. Em miúdo adorava histórias sobre dinossauros, mas não palmilham a terra há vários milhões de anos… até as suas ossadas se transformaram em pedra antes do primeiro Homem calcorrear o planeta com uma postura erecta. Adoro estrelas que brilhavam para nada nem ninguém antes da Terra ter sido formada… todas aquelas estrelas, agora, não passam de uma chuva de luz que tomba de lado nenhum, e ainda assim… capturam o meu fascínio durante a noite.
E vives preocupada sobre a possibilidade de Te esquecer? O que Te leva a pensar isso?
Estarás a descer calçadas nos meus sonhos, quando estiver demasiado velho para subir escadas, Meu Amor. As memórias de uma infância luzidia tornar-se-ão cinza espalhada aos quatro ventos, bem antes de me esquecer de um único cabelo Teu. Não interessa onde estejas. Não interessa com quem estejas… tens um lar, para sempre, enrolada aqui, no meu colo. Tudo e todos aqueles que tocar, saberão que deixaste um trilho de pegadas na minha pele, no meu coração e na minha alma.

Sem Meias Medidas


Foodie… do


sexta-feira, 26 de maio de 2017

trEla



As ordens eram sempre seguidas, ele estava habituado a isso. Não apenas com Ela. Ele alicerçava a sua determinação na sua natural capacidade de persuasão e utilizava-a com elevado aprumo no seu quotidiano. Era uma mescla de charme e intimidação, uma palavra subliminar misturada com uma ameaça penetrante. Era o inato instinto predatório masculino, tão polivalente como um lobo entre ovelhas ou um leão entre lobos. Pouco importava a situação, pois ele sobrepujava-a com animalesco darwinismo.

As ordens eram sempre seguidas, mas com Ela sempre foi diferente. Ele estava acostumado à agitação, mas Ela recebia as ordens com uma determinação idêntica à sua… e executava-a com a elegância de uma ginasta na abordagem ao solo, na finalização do seu acto. Ele dizia-lhe para remover as cuequinhas e Ela deslizava-as prontamente pelas suas imaculadas pernas. Uma vez cheirou-as, numa pose de atrevimento tal, que quase lhe fazia perder as estribeiras do autocontrolo. Era evidentemente submissão, mas nos termos dEla.

Na próxima vez que foderam, após o episódio da snifadEla, Ela encontrava-se amarrada, mas a corda não era o único objecto que A atracava. Mordaça, venda e auriculares também foram chamados à contenda. Ele desconstruiu a sua Entrega, construindo uma jaula que apenas lhe permitia como companhia Ela própria. Era o cenário Perfeito. Mas ele não quer o Perfeito. Ele deseja loucura. Deseja tudo fodido! Deseja-se todo fodido!! Quer uma amálgama de incongruência e sensualidade, num caos de emoções e apetites carnais. Deseja que o acto de cada foda seja uma série de pontos de exclamação numa frase mundana sobre o quotidiano, pontuando exaustão com um requinte lustroso. Deseja catarse. Deseja-A usada e abusada até lhe restarem apenas terminações nervosas esfiapadas e a sonância emudecida dos seus gemidos ecoando na sua mente. Naquele momento… repito, apenas naquele momento, Ela não precisava de determinação.
Ela tinha-O.

Wanderlust


Sem Meias Medidas


quinta-feira, 25 de maio de 2017

Anatomia de um Naufrágio



Quando o Mar se move
Emana fragrâncias no litoral…
Sal, e... algo mais…
Um cheiro a vida…
Algo provavelmente oculto
No espectro das suas profundezas.

É como
Passar os meus dedos pelos Teus cabelos
Ou massajar a Tua lombar…
Assoma o Tal perfume inebriante
De Algo sob a superfície
Milenar e pueril
Partilhando o Ar que respiro.

Faz-me sentir
Como é tão fácil
… E tão inevitável…
Soçobrar na Tua pele.

Everybody's Got a Thing


quarta-feira, 24 de maio de 2017

aHora!



Esta é a hora em que um poema tenta fazer sentido, junto dos sentidos.
Esta é a hora sagrada o suficiente para Te despir.
A quietude preserva o Teu corpo atrevido e honesto.
A dormência é uma amante de costas
Ao alcance de um abraço.
É (n)essa obscuridade que desejo foder
Gemendo às carícias de tudo quanto é invisível
Sentindo costas arqueadas em submissão ao luar
Numa consumação de empinada devoção.
Esta é a hora em que fico susceptível a todas as possibilidades.
Não tenho a certeza aonde tropecei
Mas é Aqui, agora que caio
Perdidamente
Enamorado
Com Tudo
ConTigo!

Sem Meias Medidas


Foodie… do


terça-feira, 23 de maio de 2017

exCITAÇÕES



(…)

Kisses on the foreheads of the lovers wrapped in your arms
You've been hiding them in hollowed out pianos left in the dark...

Your lips,
My lips,
Apocalypse

Go & sneak us through the rivers,
Flood is rising up on your knees
Oh please...
Come out & haunt me
I know you want me
Come out & haunt me

(…)

When you're all alone
I will reach for you
When you're feeling low
I will be there too

(…)


Everybody's Got a Thing


segunda-feira, 22 de maio de 2017

sexta-feira, 19 de maio de 2017

नमस्ते



Ela, acolhe-me
Na sua boca
Eu, amparo-A
Com as mãos
E qualquer noção
De objectificação
É obliterada
Quando se apercebe
Como representa a Deusa
Para a qual foi nomeada
Sentindo como o seu Nome
Ecoa pelas catacumbas
Deste corpo
Outrora finado.
Doce como o pecado
Astuta como uma oradora
Tropeço inevitavelmente
Nos seus lábios
E prostro-me
Ao seu Altar.

Everybody's Got a Thing


Wanderlust


quinta-feira, 18 de maio de 2017

As Asas do Desejo



Cada partícula de Ti
Chegou até mim
Através do tempo.
Quem foste
E quem sentiste
É transportado como uma oferenda
Pela Tua pele.
Beijo-Te com as minhas mãos
Beijo-Te com a minha boca
E invoco-os um a um
Munido pela curiosidade
De saber
Se alguma vez Te despiram
Para averiguarem
Se possuías asas.

Everybody's Got a Thing


terça-feira, 16 de maio de 2017

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Panspermia



Não caias leve
Levemente
Nos meus braços
Como quem clama por mim.
Desaba vertiginosamente
Dos céus
Bramindo com raiva
Paixão
Trauma
Fulgor
Com a vingança de todos os fantasmas que essa alma carrega
Desde a primeira promessa colegial quebrada
Ele, que jamais reencontrarás
Mas situá-lo-ei para Ti
Pois vive em mim
Arrependido
Pelo momento em que Te renegou.
Não tombes gentilmente em mim
Esbarra contra mim
Colide com a força de mil meteoritos
Trespassa-me
Destrói-me
Até nada mais sobrar
Além dos estilhaços da memória de me sentir amado
Enquanto firmava morada
Em Ti.

Everybody's Got a Thing


Foodie… do


quarta-feira, 10 de maio de 2017

Acrisolada



Depois de Tudo
Choras
E gosto, disso…
Do cheiro denso
Inebriante
De lágrimas e paixão
Mescladas sem jeito
Nessa face escarlate
E cálida, que pousa
No meu peito…
Com os sons maviosos
De uma purgação a preceito.
Nesse instante
É Tudo tão real, tão presente,
Rastejando em mim…
Como um animal selvagem
Que se enterra
Nas margens pantanosas
Do meu coração.

Everybody's Got a Thing


Foodie… do


terça-feira, 9 de maio de 2017

Os Anos que Vestes em Mim



Conhecer-Te foi como encarar peças de um puzzle.
Pouco sabia sobre o Teu Quadro Geral Identitário, e não tinha certamente a mínima ideia do inferno pelo qual passaste para moldar essas formas, que resultam na pequena amostra que concedes ao mundo. Só sei que apenas sei como os Teus ângulos encaixam em mim. E por vezes, talvez demasiadas vezes, é(s) Tudo o que me importa… aquela sensação de uma ilha de sentido no epicentro de um universo caótico sem sentido.

Wanderlust


Sem Meias Medidas


sexta-feira, 5 de maio de 2017

O Lobo, enquanto Presa



Usa algo Vermelho…
Se soubesses como assenta
Tão bem em Ti…
Como se emergisses
Do Nascer do Sol
Ou do botão de uma Rosa
Ou de uma das minhas artérias…
Firmando-Te
Numa piscina de luz
Ou de pétalas
Ou do sangue obscuro do meu desejo.

Usa algo Vermelho…
Algo com um longo comprimento de onda
De luz visível… palpável…
Forçando-me
A sorver cada gota de tempo
Que me leva a despir-Te…
Materializando através do Vermelho
O desígnio da criação das cordas…
Atando os meus olhos ao Teu corpo
Amarrando as minhas mãos à Tua pele.

Sem Meias Medidas