sexta-feira, 2 de junho de 2017

Corpuscular



Newton não foi o primeiro a observar o truque do prisma. Essa observação já havia sido feita bem antes de ter nascido. Um truque de Luz que era refractada e estilhaçada, projectando um arco-íris ao longo do quarto numa celebração de cor. Todavia, antes de Newton, a opinião pública atribuía a culpa ao prisma… a alguma impureza no vidro que causava a deformação da Luz inicial, imaculadamente branca… conspurcando a sua pureza alva. Foi apenas quando ele decidiu usar outro prisma numa das cores que o prisma inicial repartia, que se entendeu como a Luz não era manchada pelo prisma, mas libertada. Todas as cores já se encontravam presentes no feixe inicial, mas estavam ocultas a olho nu.

Tu, és Pura. És Imaculada. Tens a Alvura em Ti. És Luminosa, também, mas ainda não Te deixarei aperceber totalmente disso. Em vez disso, irei refractar-Te, decompor-Te em todas as Tuas cores, e deixar o mundo contemplar-Te. Ou então, apenas as paredes do quarto. Pois foi exactamente assim que Newton actuou… cerrando as cortinas e permitindo que o quarto apenas fosse espreitado por um exíguo raio de Luz… para sua própria contemplação.
Ele, era um génio. Eu, estou longe disso. Contento-me bastante mais em ser a Ferramenta na experiência, se Te contentares bastante mais em ser o Foco.

2 comentários:

  1. Não achas que andas a abusar assim, a escrever tão bem todos os dias?!
    Bonito. A imagem também.
    Beijo, Eros

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E tu não achas que andas a abusar na simpatia de elogios desmedidos para comigo?

      Obrigado, Isabel! :)

      Beijo.

      Eliminar